Sob Controle: documentário interativo

No final de 2009 fui entrevistado para projeto Sob Controle, um documentário no qual o espectador tem a liberdade de escolher o que vai assistir.

De uma forma fácil e divertida, é possível navergar pelo conteúdo sem precisar esperar a todos entrevistados responderem para chegar até a informação que você precisa. Abaixo está o documentário completo e logo em seguida, as minhas respostas à entrevista.



































Entrevista para o blog da Taxi Labs

Há alguns meses (não muitos) eu concedi uma breve entrevista por e-mail para o blog da Taxi Labs. Hoje voltei lá para pegar o link e o conteúdo sumiu. O pessoal deve ter atualizado o site, instalado um WordPress novo e mataram o conteúdo antigo. Tudo bem, reproduzo aqui o que disse lá.

O título que deram ao post era assim:
Dolemes, pioneiro em blog de games no Brasil

As perguntas, que foram feitas na ocasião por Pedro Araújo, seguem relacionadas abaixo jutamente com as minhas respostas.

1 – Como foi a criação do GameReporter? O que te levou a criar um blog sobre o assunto e sustentá-lo durante anos? Conte-nos detalhes de suas criações na internet.
O GameReporter nasceu quando eu era o editor do AOL Games, o portal de games da AOL no Brasil. Eu trabalhei com games na AOL de 1999 até 2006. Com o fechamento da empresa no Brasil, o nascimento do GameReporter foi quase que natural, tendo em vista que eu não queria parar o trabalho que vinha fazendo. Eu criei o blog e continuo mantendo-o até hoje pois gosto muito e estudo academicamente o assunto, ou seja, games.

2 – Como você relaciona games com jornalismo? Como surgiu teu gosto pela área?
Games é mais uma área do jornalismo, assim como o jornalismo esportivo, econômico, cultural… e o jornalismo está diretamente relacionado com games quando o assunto é notícias sobre o meio, análises e críticas. O crítico de games será comparado ao crítico de cinema no futuro.

3 – O que você acha da atual indústria de videogames brasileira? O que foi conquistado nos últimos meses e anos? O que nos falta?
A indústria brasileira de games está em pleno desenvolvimento. Existe ainda muitas conquistas para quem se aventura a trabalhar com games no Brasil, mas existem também muitos casos de sucesso, como a TechFront, Aquiris, TecToy Digital… o lado bom de tudo isso é que as grandes empresas já começaram a colocar o pé no Brasil, como é o caso da Ubisoft. Creio que nos falta ainda um amadurecimento do mercado… mas estamos caminhando bem. Hoje já existem diversos cursos de graduação em games e tenho plena certeza que é na universidade que nascerão muitas coisas boas.

4 – Pra encerrar: além de blogueiro, jornalista e gamer, você também é ilustrador. Qual é a arte conceitual que você mais gosta nos games?

Eu gosto de design e arte como um todo. Também sou professor universitário e leciono no curso de Jogos Digitais da PUC-SP. Eu sou muito fã o concept art game God of War. É verdadeiramente uma obra de arte.

O designer de interfaces…

Entrevista concedida ao blog Planeta Gamer, de Sabrina Carmona.

1 ) O que é necessário para um gamer se tornar um profissional na área de games?
Estudar, estudar e estudar. É preciso conhecer o processo de produção de um jogo, desde o roteiro, passando pelo 3D e programação, até sua finalização em uma engine de primeira linha. Tudo isso pode ser aprendendido em um bom curso de graduação em games.

2 ) Precisa de algum conhecimento prévio para iniciar os estudos na área jogos?
É preciso ter vontade. Mas por incrível pareça, jogar muito também faz parte do aprendizado.

3 ) O que seria a interface de um jogo?
Interface é o ponto de contato entre o ser humano, a máquina e o software, ou seja, o jogo. É o elemento liga o real com o virtual.

4 ) Qual a importância de uma interface amigável para o jogador?
Uma interface amigável faz com que se jogue um game com mais facilidade e naturalidade. Uma boa interface de jogo é invisível, ou seja, o jogador nem percebe que está interagindo com ela.

5 ) Qual o primeiro passo para fazer a interface de um jogo?
O primeiro passo para se desenvolver uma boa interface de jogo é começar com um projeto em papel. Tudo começa no papel, inclusive os jogos digitais.

6 ) Quais os softwares que podem ser utilizados para fazer esta interface?
Software de ilustração vetorial e edição de imagens em bitmap, como Adobe Illustrator e Adobe Photoshop

7 ) Até que ponto a escolha das cores e do visual do jogo é importante?
A cor transmite sensações e ajuda a criar o clima do jogo. Este clima precisa, necessariamente, ser transferido para a interface do jogo.

8 ) Quais seriam as dicas que você daria para quem quer iniciar na área?
Estudar, procurar uma boa universidade, jogar muito e ler o GameReporter.