Inteligência emocional: o impacto positivo em desenvolvê-la

Inteligência emocional

Muito é falado sobre a inteligência emocional, ela tem sido pauta em diversos âmbitos, da reunião familiar a entrevista de emprego. Mas você sabe o que é inteligência emocional?  Na nossa conversa de hoje você vai entender mais sobre esse conceito, o impacto que ele traz e como fazer para desenvolver esse tipo de inteligência.

O que é inteligência emocional?

O conceito vem da psicologia e se refere aqueles que tem capacidade de identificar seus sentimentos e suas emoções com mais facilidade do que outras pessoas. A habilidade que pessoas tem em gerenciar melhores o que sentem e como isso impacta na forma que agem.

Apesar de estar bastante em evidência agora, o conceito já é estudado há tempos e o termo teve mais ênfase e se tornou popular com o psicólogo norte-americano Daniel Goleman, autor do livro homônimo. Para o autor a inteligência emocional é a responsável pelo sucesso ou insucesso dos indivíduos e pode ser caracterizada em cinco habilidades: autoconhecimento emocional, controle emocional, automotivação, reconhecimento de emoções em outras pessoas, habilidade em relacionamentos interpessoais.

A inteligência emocional, portanto, é muito diferente do conhecido quociente de inteligência (QI), pois nela não se mede os conhecimentos intelectuais, científicos ou acadêmicos, mas sim os sentimentos e emoções que impactam na vida pessoal e profissional.

Como desenvolver?

Sabemos que alguns aspectos do nosso ser são permanentes e determinam nosso temperamento e personalidade. Em relação a inteligência emocional, o próprio Daniel Goleman defende que muitos circuitos cerebrais são maleáveis e que sim nossa mente pode ser trabalhada e conseguir desenvolver os níveis de inteligência emocional.

São muitas as formas de trabalhar para melhorar a inteligência emocional, revisar as habilidades, e entender quais as que precisam se trabalhadas é um primeiro passo. O psicólogo afirma que feedback externo é um bom caminho para se orientar também. Agora vamos a algumas práticas que você pode fazer para melhorar.

  1. Faça uma análise sobre si mesmo – Esse é um passo fundamental para desenvolver sua inteligência emocional. Você precisa observar e conhecer seu próprio comportamento com as situações que se apresentam a você, sejam elas boas ou ruins. Diante disso analise as reações da sua mente, do corpo, sensações e pensamentos, para que assim possa fazer uma melhor avaliação de como agir em cenários diferentes. Quando você tem uma percepção de como algo te impacta, fica mais fácil analisar e controlar o como aquilo irá te afetar e assim, tentar tomar decisões que impactem menos negativamente não só você, mas as pessoas com quem você se relaciona. Você terá uma visão realista dos seus pontos fortes e fracos com essa análise.

  2. Mude o foco de si para o outro – Um exercício relativamente simples, mas essencial. Quando você tenta visualizar uma situação ou algo pela perspectiva do outro, entende quais forças, fraquezas e valores de cada um. Isso permite com que o seu entendimento seja mais amplo e é possível trabalhar com a pluralidade de cada um. Já falamos por aqui sobre a empatia, e ela ajuda nessa abordagem sobre determinadas situações e melhora o desenvolvimento da inteligência emocional. Será mais fácil conseguir o melhor de cada um entendendo seus pontos e o do outro também.

  3. Faça com que a convivência seja agradável – Porque quando você age de maneira agradável o ambiente se torna mais recompensador. Como? Ao ter uma convivência gratificante, o outro tende a ser mais amigável, cooperativo e confiar mais. Por exemplo, antes de pedir ajuda ou passar alguma atividade para alguém, tenha um nível de contato com essa a pessoa, compartilhe conhecimento e recursos. Tudo isso, sem a expectativa de reciprocidade, fará com que a convivência se torne melhor e o ambiente mais propício. Essa é uma atitude para desenvolver sua inteligência emocional.

  4. Saiba lidar com pressão e controle explosões – Perceba quais são as situações e cenários que te trazem sentimentos a atitudes negativas. Trabalhe seus gatilhos. Como posso evitar me colocar em determinada situação? Como agir diferente diante de algo que me estressa? Faça essas perguntas e trabalhe táticas que com o tempo, conhecendo suas emoções, você saberá como agir. Uma coisa é como nos sentimos e outra é como nossos sentimentos estão sendo vistos pelos outros, e isso é inserir inteligência emocional na sua rotina.  Priorize o que é mais importante, crie mecanismos para gerenciar o que te incomoda.

  5. Seja humilde – Trabalhar essa habilidade é ótimo exercício para desenvolvimento da inteligência emocional, é considerado inclusive um traço de inspiração para outro, por isso visto em líderes. É preciso encontrar o meio termo entre assertividade e modéstia, ser capaz de admitir os erros também.

Dicas de livros

O tema é muito abrangente, e você encontra diversas opções de livros caso queira se aprofundar mais no assunto. Aqui vão algumas:

E você acredita que é inteligente emocionalmente? Consegue saber qual ponto precisa melhorar para alcançar melhores resultados com suas relações interpessoais?

E mais: você sabe o que são habilidades cognitivas?

Um comentário em “Inteligência emocional: o impacto positivo em desenvolvê-la”

Deixe seu comentário