Lives e mais lives

E o período que antecedeu o semestre letivo foi intenso. Foi possível descansar e se preparar para mais uma jornada educacional digital em meio à pandemia.

Mas foi possível também participar de conversas incríveis em lives sobre assuntos que nunca saem de pauta: games e web.

No dia 29 de julho conversei com o Prof. Alan Carvalho da Faculdade Impacta Tecnologia sobre o Processo de Produção de Jogos Digitais. O conteúdo da live você encontra abaixo: 

Já no dia 31 de julho, conversei com o Diogo Cortiz e Newton Calegari num bate papo sobre a Complexidade das Redes e sobre a Web do Futuro, organizado pelo Programa de Pós-graduação em Tecnologias de Inteligência e Design Digital da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. E o resultado da live você pode encontrar a seguir: https://www.youtube.com/watch?v=1ciXyOktFvo

E agora, é força total para seguir mais este semestre letivo tão diferente e tão desafiador.

Já ouvi falar em Internet dos Sentidos?

O ano é 2030 e a Inteligência Artificial (IA), Realidade Virtual (VR), Realidade Aumentada (AR), 5G e todos os processos de automação já fazem parte do cotidiano da população mundial. E o que acontece se juntarmos todas estas tecnologias em uma experiência única?

O ano é 2030 e a Inteligência Artificial (IA), Realidade Virtual (VR), Realidade Aumentada (AR), 5G e todos os processos de automação já fazem parte do cotidiano da população mundial. E o que acontece se juntarmos todas estas tecnologias em uma experiência única? Basta ler o título deste texto e saberá responder a esta pergunta: a Internet dos Sentidos. Uma pesquisa do ConsumerLab Hot Consumer Trends da Ericsson aponta que nos próximos 10 anos as experiências baseadas em telas competirão cada vez mais com as experiências multissensoriais que serão quase inseparáveis da realidade. Sentiremos a Internet na “pele”.

E não só isso, segundo a pesquisa, consumidores esperam que uma variedade de serviços benéficos da tecnologia conectada, interagindo com nossos sentidos de visão, audição, paladar, olfato e tato. Ou seja, vamos também sentir o gosto da Internet?

Os principais fatores para a Internet dos Sentidos incluem entretenimento imersivo em todos os níveis, compras online nos mais diversos dispositivos e situações, crise climática e a correspondente necessidade de minimizar o impacto no clima mundial. Se isso de fato acontecer, estamos falando de uma mudança que define a era da atual conectividade à Internet baseada em smartphones, computadores e telas para experiências imersivas resultantes da conexão de nossos sentidos.

Contudo, não podemos esquecer de nossa privacidade individual. Dentro desta realidade, será que nossos sentidos podem ser manipulados para compra de itens diversos ou serviços? Esperamos que as proteções e garantias necessárias sejam implementadas em todos os níveis.

Veja as 10 principais tendências de consumo (segundo os consumidores, ok?) para 2030 de acordo com a pesquisa ConsumerLab Hot Consumer Trends

01. Seu cérebro é a interface do usuário: cinquenta e nove por cento dos consumidores acreditam que poderemos ver as rotas dos mapas nos óculos de realidade virtual simplesmente pensando em um destino.

02. Parece comigo: usando um microfone, 67% acreditam que serão capazes de captar a voz de alguém de forma realista para enganar até os membros da família.

03. Qualquer sabor que você quiser: quarenta e cinco por cento preveem um dispositivo para a boca que aprimora digitalmente tudo o que você come, para que qualquer alimento possa ter o sabor do seu petisco favorito.

04. Aroma digital: cerca de 6 em cada 10 esperam poder visitar florestas ou campos digitalmente, inclusive experimentando todos os cheiros originais desses lugares.

05. Toque total: mais de 6 em 10 esperam smartphones com telas que transmitem a forma e a textura dos ícones e botões digitais que estão pressionando.

06. Realidade mesclada: os mundos dos jogos de realidade virtual são previstos por 7 em 10 como indistinguíveis da realidade física até 2030.

07. Verificado como real: as “Fake News” podem ser finalizadas: metade dos entrevistados afirma que os serviços de notícias que apresentam extensas verificações de fatos serão populares até 2030.

08. Consumidores pós-privacidade: metade dos entrevistados são “consumidores pós-privacidade”: eles esperam que os problemas de privacidade sejam totalmente resolvidos para que possam obter com segurança os benefícios de um mundo orientado por dados.

09. Sustentabilidade conectada: serviços baseados na Internet dos Sentidos tornarão a sociedade mais ambientalmente sustentável, de acordo com 6 em 10 entrevistados.

10. Serviços sensoriais: quarenta e cinco por cento dos consumidores antecipam shoppings digitais, permitindo que eles usem todos os cinco sentidos ao fazer compras.

Todas estas informações são baseadas nas atividades globais de pesquisa do Ericsson ConsumerLab, que conta com mais 24 anos de experiência. Ele se baseia principalmente em dados de uma pesquisa online realizada em outubro de 2019 com usuários avançados da Internet em 15 cidades do mundo: Bangcoc, Deli, Jacarta, Joanesburgo, Londres, Cidade do México, Moscou, Nova York, São Francisco, São Paulo, Xangai, Cingapura, Estocolmo, Sydney e Tóquio.

E se você quer aprender como isso se aplica ao ambiente empresarial, não deixe de conhecer o curso de pós-graduação em Negócios Digitais. O curso tem como objetivo apresentar as tecnologias que estão alterando o ambiente empresarial além de desenvolver estratégias para transformar modelos de negócios existentes. Junta-se a isso a capacidade de executar um processo de implementação de transformação digital nos mais diversos níveis de qualquer empreendimento.

E a pergunta final: como será o nosso futuro dentro deste contexto tecnológico?

Jornalismo em um emaranhado de dados

Em nosso atual cenário no campo da comunicação somos bombardeados por informações de todas as qualidades e categorias inimagináveis. Nos tempos atuais, podemos nos questionar até se tais informações são verdadeiras ou não. E quando olhamos para estas questões, podemos nos perguntar: o que podemos fazer com tantos dados? Quais caminhos seguir para sua análise? Com encarar a Política de Dados Abertos das instituições públicas brasileiras?

O profissional de comunicação não tem mais a missão de apenas levantar dados, posto que hoje essa não é a dificuldade maior. A barreira está em como transmitir esses dados para o leitor, que tipo de informação ou conhecimento gerar com eles, como utilizá-los, como e o que produzir com esse material. É preciso adaptar-se às mudanças do ambiente informacional, ver e expor elementos que não se enxergaria de outra forma, contar histórias mais ricas e sobretudo, entender, a partir da ciência de dados, o mundo contemporâneo e sobretudo, o país em que vivemos (cada vez mais complexo). O jornalismos de dados é sobre contar histórias.

E tudo isso por apenas um motivo, a economia de tempo para alcançar a informação, pede para que se desenvolvam outras capacidades, que estimulem o profissional de comunicação a sair do óbvio ululante. Afinal de contas, já não saímos mais a campo e sim entramos no campo informacional e lá temos que encontrar todas as respostas. E muitas delas estão escondidas no emaranhado de dados abertos.

O profissional de comunicação não tem mais a missão de apenas levantar dados, posto que hoje essa não é a dificuldade maior. A barreira está em como transmitir esses dados para o leitor.

As novas formas de utilização e apresentação de conteúdo (seja online ou offline) fazem com o que o jornalismo não se torne algo obsoleto (muito pelo contrário) senão, o permite ser reinventado, reconstruído, re-significado e fragmentado, como é o caso do jornalismo de dados. Fragmentos de informações que complementam o todo.

Assuntos diversos, de utilidade pública, necessários para o auxílio do entendimento da sociedade atual, que vive a acompanhar a velocidade das informações são a matéria prima do jornalismo de dados. O jornalista que trabalha constantemente na apresentação de dados não pode deixar com que assuntos importantes passem com a mesma fugacidade de temas não relevantes e pontuais.

É preciso estar atendo: analisar o mercado que está inserido e entender da mídia que será usada para a apresentação destes dados, levantar, sem exceção, todos os dados que necessita, trabalhar em sua seleção relevante e fazer triagem informacional para assim, buscar a redação e apresentação final do conteúdo.

Aproveito para convidar a todos a acessar o Portal Brasileiro de Dados Abertos e ver o que podemos descobrir por lá. Aproveite para conhecer o curso Comunicação Digital e Jornalismo de Dados da PUC-SP.

Publicado originalmente na revista IMPRENSA, nº 330 (abril/maio de 2018). Página 50.

David de Oliveira Lemes (@dolemes) é professor do Departamento de Computação da PUC-SP. Consultor na área de educação e tecnologia. Leciona na FIAP, FECAP e Faculdade Impacta. Também edita o GameReporter. Gostaria de consultoria, palestra para sua empresa, evento ou instituição de ensino? Entre em contato.