Saiba mais sobre o metaverso na educação

A palavra parece ser relativamente nova (mas não é), e se você está antenado nas novidades da área da tecnologia, conhece o metaverso, ou, pelo menos, já se deparou com este termo. A ideia de incorporar o mundo virtual com o físico não é nova, mas a forma que se estrutura o metaverso promete ampliar e trazer inúmeras possibilidades para diferentes setores.

Na educação o pensamento futuro (que já tem seus primeiros passos) é a de que o metaverso torne o processo de aprendizagem algo mais inclusivo e derrube barreiras importantes. O conceito propõe a interação, uma tecnologia que trabalha a realidade virtual de forma compartilhada, onde será possível recriar experiências físicas no ambiente digital. A disrupção que o metaverso na educação promete é grande e é sobre ela que vamos conversar um pouco mais.

Em sua definição a palavra metaverso nada mais é que a junção de “meta”, palavra grega que significa além, com verso que vem de “universo”, seria algo como a evolução da internet. Ter uma segunda vida, só que com pessoas reais tornando possível uma realidade paralela. Ainda parece confuso? Vamos continuar.

A confusão é comum, afinal toda explicação parece saída de um livro, filme de ficção científica, o que tem seu fundamento. O termo metaverso vem de um romance de ficção científica do autor Neal Stephenson chamado Snow Crash de 1992. Nele é apresentado uma aventura em um mundo onde parte da vida cotidiana acontece no mundo digital.

Voltando a realidade, o metaverso propõe justamente a integração do online e offline, por meio de ferramentas que tem o objetivo de diminuir o espaço entre físico e virtual. Para educação ele permite a imersão dos alunos em ambientes que dependendo da realidade de muitas escolas não seria possível ser feita.

Exemplificando, seria algo do tipo estudar sobre a Grécia Antiga em um ambiente virtual que crie essa realidade, ver a arquitetura, pessoas da cidade como eram na época, um ambiente onde será possível a interação entre os colegas de sala de aula e professores enquanto cada uma das partes poderá, por exemplo, fazer essa viagem estando em suas casas. Ou uma excursão a museus do mundo todo, algo que já é possível fazer sem sair da escola.

Isso tudo faz parte de uma realidade virtual que já vem sendo trabalhada em algumas salas de aula, com as imersões 360 graus por meio dos óculos virtual e outras ferramentas tecnológicas, mas isso é apenas uma das possibilidades que o metaverso traz para o processo de aprendizagem.

Vale ressaltar que tivemos um grande processo de imersão e adaptação a essas novas tecnologias com a chegada da pandemia, e o mundo precisou acelerar a adaptação ao uso delas, para tornar viável o ensino em uma realidade em que o aluno não poderia estar dentro da escola e isso mostrou os desafios e barreiras que todos da educação tiveram que enfrentar.

Por mais que seja possível dizer que muitas instituições tiveram êxito nessa adaptação, outras passaram por dificuldades, isso porque os alunos de uma maneira geral estão adaptados ao uso dessas tecnologias em suas vidas, mas os nem todos os professores e os envolvidos no processo de educação não estavam devidamente preparados para o desafio de usar essas ferramentas a seu favor.

E é essa questão que se faz necessária a reflexão, se somente aulas a distância ou híbridas apresentaram esse desafio, lidar com o metaverso será algo ainda maior.

Além da preparação de toda estrutura escolar, desde a capacitação dos professores e mudança de pensamento da gestão, estamos falando também de tornar acessível os espaços virtuais à todos, principalmente em uma realidade como a do Brasil, mas esse é um caminho que não tem mais volta, precisamos nos adaptar para ontem a realidade da tecnologia na educação.

De acordo com números da ABRES apenas 36% dos alunos que entram no ensino superior se formam, em decorrência do abandono do curso por falta de motivação e questões financeiras. Já em relação aos cursos EAD a realidade é que os números aumentam a cada ano, mostrando o quanto a tecnologia facilita e torna mais flexível o acesso ao ensino. Este cenário mostra o quão necessário é o investimento em novas tecnologias para abandonar o modelo tradicional de ensino já ultrapassado. 

Benefícios do metaverso na educação

Acessibilidade: Como já foi falado, tornar acessível o processo de aprendizagem com certeza é um dos maiores benefícios que o metaverso na educação pode trazer. O metaverso torna distâncias geográficas menores ou inexistentes, permite acesso remoto a educação em qualquer lugar do mundo. Não é necessário o deslocamento, o que aumenta a inclusão.

Desenvolvimento de habilidades para o mercado atual: Quando trabalhadas já no ensino, a inclusão digital permite o desenvolvimento de habilidades digitais em um nível mais alto, sem contar outras soft-skills altamente solicitadas ao profissional de hoje, como disciplina, autonomia, empatia, tudo isso é trabalhado nessa nova forma de aprender.

Motivação e foco: Para muitos a ideia do modelo tradicional de escola como conhecemos parece chato, principalmente para os mais jovens que estão tão expostos as tecnologias. Incluí-las na educação é importante alidada para que as abordagens de ensino sejam mais efetivas e consigam melhores resultados. Os alunos se sentem mais motivados e focados em um ambiente que para eles é atrativo e natural.

O setor educacional precisa se posicionar agora mais do que nunca, e antecipar essa tendência se tornando um pilar de desenvolvimento, o metaverso na educação irá trazer inúmeros benefícios e inclusão, o quanto antes aprendermos e ensinarmos sobre ele, mais fácil será a adaptação a um cenário que é inegável de acontecer.

Como escolher os recursos digitais para educação

Tecnologia, é a palavra do nosso século. Ela permeia quase tudo que fazemos, e em muitas situações já não conseguimos nos ver sem ela e na educação ela tem se tornada um braço importante. O processo de aprendizagem ganhou outros rumos graças a tecnologia e os recursos digitais para educação, mas como escolher as melhores ferramentas para trabalhar em sala de aula? Hoje nosso bate-papo será sobre isso.

Mas antes de percorrer o caminho do como escolher estes recursos, vale a pena entender que existe uma infinidade deles. Mas para saber selecionar os que mais se encaixam para ajudar os estudantes, é preciso conhecer os tipos de recursos digitais. Eles facilitam o processo de aprendizagem e melhoram a experiência do aluno e professor.

7 tipos de ferramentas mais comuns entre os recursos digitais

Plataformas – As plataformas são ambientes online de ensino. Nelas existem a troca de informações e é possível acompanhar o desenvolvimento pedagógico por aluno. Permite armazenar e publicar conteúdos, é possível usá-la também como suporte ao ensino presencial. Alguns exemplos de plataformas virtuais de ensino Blackboard, Dokeos, Moodle, Coursera, Veduca, DreamBox, Geekie.

Objetos digitais de aprendizagem – Recursos que apoiam o professor dentro e fora da sala de aula, alguns exemplos são jogos, animações, videoaulas, simuladores. São grandes aliados e facilitadores no processo de aprendizagem, pois além de trabalhar conteúdos e auxiliar no desenvolvimento de competências e habilidades, permite planejar atividades mais dinâmicas e criativas atraindo mais o interesse dos alunos. Exemplos de objetos digitais de aprendizagem, Árvore digital, Seleção Natural, Sundae Times.

Ferramentas de gestão –  O intuito das ferramentas de gestão é auxiliar o professor a organizar dentro e fora da sala de aula. Elas também valem para gestores automatizarem procedimentos, otimizar processos, e gastar menos tempo. Alguns apoiam as escolas no sistema financeiro, no monitoramento do desempenho de alunos e outros. Exemplo: Prova Fácil, Google Classroom, WPensar.

Ambientes Virtuais – São recursos digitais para educação imersiva. Eles proporcionam o aumento do envolvimento dos alunos, criam novas formas de interação com o conteúdo apresentado. Os dispositivos que compõem os ambientes virtuais têm um pouco do mundo real e um pouco do virtual, por meio deles é possível viajar em museus conhecidos no mundo todo, por exemplo, Capela Sistina, conhecer o Museu Americano de História Natural, além de laboratórios e outros espaços necessários ao conhecimento.    

Ferramentas de trabalho – Se antigamente o professor era a pessoa conhecida por pilhas de provas, livros, a tecnologia também ajudou na implementação das ferramentas de trabalho. Para o professor os recursos digitais para educação facilitam e agilizam tarefas do cotidiano, como organização de arquivos, editor de texto, fotos, vídeo, áudio. Além disso, as ferramentas permitem criação de formulários, planilhas e apresentações. Alguns já conhecidos de todos são o Google Drive, para armazenamento, Prezi para apresentações, Survey Monkeys ajuda nos formulários e para infográficos o Infogram.

Ferramentas de experimentação – Ótimas aliadas para trabalhar as metodologias ativas de ensino, pois elas permitem o protagonismo dos alunos, uma vez que eles precisam desenvolver produtos e projetos. Eles podem desenvolver podcasts, livros digitais, vídeos, e outros. Alguns exemplos para usar em sala de aula Kits Lego, Makey Makey,  App Inventor.

Ferramentas de comunicação – Permite a criação de comunidades virtuais de aprendizagem, onde acontecem trocas entre professores e alunos, engajando também familiares, é um bom caminho para aproximar os pais da escola. Soluções para ferramentas de comunicação Remind, Edmodo e as já conhecidas mídias sociais Instagram, Facebook e Whatsapp.

Agora estabelecido quais são os tipos de recursos digitais para educação existentes no mercado, é hora de estabelecer como escolher cada um deles, para cada momento.

Você provavelmente já ouviu falar de Geroge Lucas, o diretor da franquia Star Wars, certo? Pois bem, após vender a Lucasfilm para Disney ele destinou 4 bilhões de dólares que recebeu aos seus projetos educacionais. A educação é uma causa apoiada pelo diretor há mais de 20 anos, quando fundou a George Lucas Educational Foudation (GLEF), que dá suporte a educadores no processo de ensino por meio da Edutopia.

E você deve estar se perguntando porque estou falando do famoso diretor de cinema para abordar sobre esse assunto, porque esse mesmo diretor deu 6 dicas valiosas para escolher os melhores recursos digitais para educação e com certeza elas vão de dar um norte de como tomar essa decisão. Vamos a elas. 

1. Pense em categorias – Ela garante o equilíbrio entre vídeo, áudio, texto e outras formas. Pense em como compartilhar e o quão acessível elas serão aos seus alunos.

2. Escolha conteúdo com base nos objetivos de ensino – Os conteúdos devem estar relacionados em qual ponto você deseja chegar, pergunte-se o que quer dos alunos com o conteúdo e se eles serão capazes de fazer, quais aspectos os alunos precisarão de suporte, e como escolher recursos que atendam diferentes necessidades.

3. Opte por conteúdo relevante e original – Parece autoexplicativo e bastante óbvio, mas é preciso fazer essa reflexão sempre ao escolher os recursos digitais para educação, pois eles precisam estar conectados aos alunos. Além disso, eles precisam também reconhecer essas ferramentas para vivenciar melhor o objetivo do processo de aprendizagem.

4. Conecte-se aos alunos além das tarefas – Além da execução de uma tarefa, os recursos podem ajudar a estender o conhecimento trabalhado mais do que o tradicional, é possível pensar nas conexões interdisciplinares, a até mesmo quais outros conteúdos os alunos podem explorar após o término da atividade. Observe pelo que se interessaram mais e sugira mais conteúdos e formas de se aprofundarem sobre o tema com qual ele teve identificação.

5. Saiba como organizar e distribuir o conteúdo – Após selecionar os recursos digitais que irá usar em sala de aula, tenha um plano para organizar e distribuir esse conteúdo. Assim tudo ficará mais claro para você professor e para os alunos.

6. Busque colegas e os próprios alunos para fazer a seleção de conteúdo – É importante envolver todos do processo de aprendizagem na escolha dos recursos digitais, não precisa ser algo individual. Você pode encontrar apoio entre seus colegas professores e até mesmo com os alunos para encontrar a melhor via a ser trabalhada.

O mundo de possibilidades dos recursos digitais para educação está aí para ser explorado da melhor maneira possível. Encontrar qual a melhor forma de trabalhar com eles é um caminho a ser encontrado coletivamente como foi dito, entre aqueles que fazem parte do processo de aprendizagem a ideia é fortalecer a tecnologia como aliada em sala de aula e que ela expanda as possibilidades de desenvolvimento dos alunos. Sem dúvidas usufruir dos inúmeros benefícios que essas alternativas trazem é consequência natural da implementação dos recursos.

Importância e benefícios da leitura para educação desde os primeiros anos de vida

Com tantos dispositivos eletrônicos, um mundo onde cada vez mais fazemos coisas ao mesmo tempo, dedicar parte dele a leitura tem sido um desafio. Acontece que o hábito da leitura precisa continuar existindo e mais, ser estimulado desde cedo para o melhor desenvolvimento do ser humano.

Sem dúvidas o advento das tecnologias é importante para o universo da educação, mas isso não significa deixar de lado pilares essenciais como a leitura. Ler, interpretar, associar questões, tudo isso mostra um caminho de compreensão do mundo e como precisamos agir nele, por isso a leitura para educação é essencial. Vamos conversar hoje sobre como o universo da leitura impacta no processo de aprendizagem desde os primeiros anos de vida de uma pessoa.

Para a neurocientista e autora do livro “O cérebro no mundo digital- os desafios da leitura na nossa era” Maryanne Wolf, a leitura é base da formação socioemocional do ser humano. Segundo ela tudo que trazemos da primeira infância se conecta aos novos aspectos da linguagem, e incentivar a leitura ajuda a expandir conceitos de pensamento crítico, empatia, reflexão, competências essenciais do nosso século.

Ainda de acordo com a neurocientista, o processo de leitura não é algo aprendido naturalmente pelas crianças, mas do zero aos cinco anos, antes de se tornar um cérebro leitor, ele já está em desenvolvimento, e por isso todas as histórias que contamos, os livros que mostramos, fomentam esta evolução. A medida em que o hábito de leitura é apresentado aos pequenos, antes mesmo deles poderem ler, eles já conseguem absorver melhor a linguagem.

A leitura é capaz de aumentar os circuitos neurais, uma vez que ela conecta visão, linguagem, conhecimento e traz novas descobertas, e a cada nova descoberta, consequentemente, novos circuitos vão surgindo no cérebro.

Outro autor e neurobiólogo que defende a neuroeducação (abordagem educativa baseada no funcionamento do cérebro) Francisco Mora, explica que para ler precisamos inibir “99% do que normalmente pensamos ou que entra no nosso cérebro e prestarmos atenção em apenas 1% disso”. Sem contar que a leitura exige também nosso tempo.

E é aí que nos deparamos com um grande desafio da leitura para educação do nosso século. Afinal a era digital mudou nosso jeito de encarar o tempo, tudo é mais rápido, inclusive a forma que encaramos a leitura. Quando usamos a internet, por exemplo, o nosso foco de atenção precisa de um tempo mais curto e segue em constante mudança, diferentemente da leitura de um livro.

Isso não quer dizer que a tecnologia deva ser demonizada, conversamos constantemente por aqui como a implementação dela trouxe inúmeros benefícios, mas a exposição aos meios eletrônicos, e o tempo dedicado a esta exposição, deve ser levado em consideração de acordo com a idade da criança.

Já para a fase mais jovem do ser humano, com amadurecimento do leitor, a leitura para educação precisa focar nos diferentes estilos que irão atrair e incentivar o olhar crítico e interdisciplinar, seguindo este caminho será mais fácil despertar o interesse dos alunos.

O desafio do educador está em encontrar um meio entre as leituras clássicas e contemporâneas. O ensino deve ir além das chamadas leituras obrigatórias, ou uni-las aos livros com temáticas de interesse dos jovens para trabalhar diferentes áreas, isso ajudará a desenvolver as habilidades necessárias atreladas ao que eles gostam. Ninguém aprende ou quer fazer algo que não gosta.

As dez competências da BNCC englobam muito da habilidade leitora por parte do aluno, afinal o estudante precisa ampliar as competências a serem desenvolvidas, e com certeza ele precisará da leitura para percorrer o processo de aprendizagem.

Leitura para educação em projetos interdisciplinares

Se engana aquele que acredita que a leitura para educação trabalha somente a área de linguagens. A leitura é universal e pode ser associada as diferentes áreas do conhecimento trabalhadas em sala de aula. Ela deve ser ferramenta estratégica e ajudar na compreensão do conteúdo passado.

Sendo assim, tornar a leitura mais ampla, possibilita ensinar por meio dela. A leitura permite a compreensão do mundo. Com isso é possível trabalhara história, geografia, matemática e biologia, e porque não dizer todas as áreas do conhecimento.

É possível também seguir pela via de projetos interdisciplinares, isto é, uma mesma leitura, pode trabalhar ao mesmo tempo língua portuguesa e história, por exemplo. Além do livro em si, é possível usar de diferentes tipos de leitura para atingir o objetivo de ensino, artigos, revistas, jornais, quadrinhos, tudo como elemento para educação.

A medida em que o professor leva para sala de aula diferentes textos que encontram na sociedade, aproxima a leitura da realidade do aluno e faz com que o desejo de ler seja relacionado ao seu dia a dia, tornado assim maior interesse do aluno no hábito.

Outro caminho que os docentes podem usar, é a ideia de complementação de conteúdos para trabalhar a leitura para educação. Muitas áreas conversam entre si, e traçar esse paralelo faz a aprendizagem algo mais dinâmico e atrativo.

Além disso, é essencial que a proposta pedagógica seja muito clara, os professores precisam saber onde querem chegar com o estímulo de determinada leitura. Ao trabalhar conteúdos de leitura de maneira combinadas e relacionadas as possibilidades a serem exploradas aumentam e permitem que a leitura siga sendo principal parceira do conhecimento e compreensão dos alunos. Deixe sua opinião nos comentários, qual você acredita ser o espaço da leitura para educação em nossa realidade atual?