Lives e mais lives

E o período que antecedeu o semestre letivo foi intenso. Foi possível descansar e se preparar para mais uma jornada educacional digital em meio à pandemia.

Mas foi possível também participar de conversas incríveis em lives sobre assuntos que nunca saem de pauta: games e web.

No dia 29 de julho conversei com o Prof. Alan Carvalho da Faculdade Impacta Tecnologia sobre o Processo de Produção de Jogos Digitais. O conteúdo da live você encontra abaixo: 

Já no dia 31 de julho, conversei com o Diogo Cortiz e Newton Calegari num bate papo sobre a Complexidade das Redes e sobre a Web do Futuro, organizado pelo Programa de Pós-graduação em Tecnologias de Inteligência e Design Digital da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. E o resultado da live você pode encontrar a seguir: https://www.youtube.com/watch?v=1ciXyOktFvo

E agora, é força total para seguir mais este semestre letivo tão diferente e tão desafiador.

Jogo do multissetorialismo

Eleições 2020, fakenews e desinformação

Game colaborativo / participativo para o curso da Escola de Governança da Internet no Brasil – Turma de 2019

Objetivo: 
Proporcionar aos alunos a vivência dos processos de tomada de decisão característicos de fóruns multissetoriais do ecossistema da governança da Internet. Para tanto, três elementos devem ser assegurados na proposta: condições equânimes de engajamento no processo de tomada de decisão (atores devem estar em pé de igualdade, equal footing), interesses conflitantes e tomadas de decisão baseada na construção de consensos.


Ao final do jogo espera-se que os participantes produzam um documento de consenso com um conjunto de proposições para o combate à desinformação na Internet após o exercício do debate multissetorial.

Preparação:

  • Crachás identificados de acordo com o perfil de cada participante: jurídico e político distribuídos no primeiro dia do evento;
  • Pastas para os grupos com o material para o jogo / debate, que será a compilação das respostas aos questionários que serão disponibilizados ao longo do curso, distribuída no dia do jogo;

Operacional

  • Distribuir as perguntas – enviar por e-mail, ou apresentação de URL (curta) no telão;
  • Organização das respostas dos alunos em um documento;
  • Imprimir o material de apoio ao jogo (pastas);
  • Organizar as pastas;
  • Segunda-feira: os participantes receberão a informação de qual subgrupo participará (técnico, jurídico e político).

Material

  • Flipchart;
  • Cartolina;
  • Canetas (canetinha);
  • Post-it;
  • Folha sulfite;
  • Fita crepe/ durex;
  • Sexta-feira: dia de fotos.

Mecânica de funcionamento geral:

01 – Durante os quatro primeiros dias do evento, os participantes serão convidados a responder perguntas usando seu smartphone / computador. Ao final do dia será enviada por email uma URL (curta) com uma pergunta dissertativa para cada tema, que terá como foco os grupos de trabalho da sexta-feira. Ao total serão feitas 1 pergunta para cada tema, somando ao todo 4 perguntas. Contudo, as respostas deverão ser direcionadas para as áreas políticas e jurídicas.

  • Dia 01: 
  • Pergunta tema: segurança e controle
  • Pergunta 1)Grupo vermelho Segurança e controle: escreva uma proposta para combater o fenômeno das notícias falsas online que assegure controle dos fluxos de conteúdo na Internet e a identificação de responsáveis.
  • Dia 02:
  • Pergunta tema: marketing e mídia
  • Pergunta 2)Grupo Azul – Marketing e mídia: elabore uma proposta que atue sobre o fenômeno das notícias falsas online e que proteja os interesses de empresas de marketing digital, agências de publicidade e propaganda, etc.
  • Dia 03:
  • Pergunta tema: privacidade
  • Pergunta 3) Grupo Verde – Privacidade: elabore uma proposta para combater o fenômeno das notícias falsas online que proteja a privacidade dos usuários de Internet.
  • Dia 04:
  • Pergunta tema: liberdade de expressão
  • Pergunta 4) Grupo Preto – Liberdade de expressão:elabore uma proposta que atue sobre o fenômeno das notícias falsas online que assegure a liberdade de expressão dos usuários da Internet.

As perguntas serão organizadas em um formulário eletrônico para armazenar as respostas que ajudarão os participantes no jogo de sexta-feira. 


Como sugestão não serão informados os motivos pelos quais as pessoas estarão respondendo tais questões.


02 – Ao final dos 04 dias, teremos um banco expressivo de respostas temáticas que irão abastecer cada um dos 04 grupos de trabalho.

03 – Na sexta-feira, no dia da dinâmica, serão divididos 4 grupos temáticos: liberdade de expressão, marketing e mídias, segurança e controle, e privacidade, que receberão todo o material coletado, já devidamente filtrado por temas.

  • Grupo 01: liberdade de expressão
  • Grupo 02: marketing e mídias
  • Grupo 03: segurança e controle
  • Grupo 04: privacidade

04 – De posse do material coletado, o grupo será informado do tema do seu grupo no qual deverão produzir as propostas.

Mecânica de funcionamento dos grupos:


01 – Ao receber o material coletado, o grupo analisará o material.


02 – Após a análise dos materiais, o grupo terá que eleger um representante de forma democrática. O representante de cada grupo receberá uma identificação (pode ser um botton / adesivo non crachá com cores).


03 – Os demais integrantes de cada grupo serão divididos em 2 subgrupos temáticos que irão analisar as propostas sob os pontos de vista técnico,jurídico e político. Os subgrupos, além de analisar, poderão elaborar novas propostas. Estes subgrupos também receberão uma identificação (adesivo no crachá com cores).


04 – Sugestão: o represente irá orientar os subgrupos a criar um quadro Kaban (exemplo abaixo) para otimizar e organizar seus respectivos trabalhos para análise, organização e elaboração das propostas finais (colocar no slide a proposta o modelo de canvas / kanban).

05 – Os subgrupos debatem e fecham as propostas e alinham as atividades com o representante de cada grupo temático;


06 – Os subgrupos de cada grupo reúnem-se para analisar as propostas conjuntamente, para que os eventuais conflitos sejam debatidos para se chegar a um consenso sobre as propostas dos grupos temáticos. Os representes farão uma reunião para discutir as propostas;


07 – Os grupos retornam para sua formação original para finalização das propostas.


O que esperamos com esta dinâmica:

  • Auto-organização 
  • Debate para solução de conflitos
  • Análise
  • Cooperação
  • Síntese
  • Apresentação final da proposta

Horários:


08h30ORIENTAÇÕES GERAIS E FORMAÇÃO DE GRUPOS
Apresentação da atividade e seus objetivos. Divisão dos grupos 04 grupos temáticos (liberdade de expressão, mídia e marketing, segurança e controle, e privacidade) e distribuição dos materiais coletados. A divisão dos grupos será realizadas antecipadamente e os alunos receberão os crachás devidamente identificados.


09h00 ANÁLISE GERAL DAS PROPOSTAS
Escolha do representante e análise dos materiais pelos grupos temáticos para trabalhar nas propostas, cujo objetivo final é a produção de um documento de consenso com um conjunto de proposiçõespara o combate à desinformação na Internet com foco no seu grupo. 


09h30 DIVISÃO DOS SUBGRUPOS
Divisão dos subgrupos: jurídico e político para análise dos materiais. O representante terá um papel de mediação e organização. Os integrantes devem ser informados da necessidade de registro das propostas dos subgrupos.


09h45 – Intervalo.


10h00ANÁLISE DOS MATERIAIS PELOS SUBGRUPOS(técnico, jurídico e político)
Organização dos quadros Kanban dos subgrupos de trabalho de cada grupo temática da seguinte forma: propostas gerais, propostas em análise e propostas finais.


11h00 – FINALIZAÇÃO DO DEBATE DOS SUBGRUPOS
Finalização dos trabalhos com as propostas dos subgrupos e apresentação para alinhamento geral com o representante de cada grupo temático. 


11h30 – REDAÇÃO DA PROPOSTA FINAL DO GRUPO
Redação e organização das 4 propostas finais de cada grupo. Cada grupo grupo temático terá que produzir 5 propostas. 


12h00 – Almoço


13h00 REORGANIZAÇÃO DOS SUBGRUPOS(GRUPÃO)
Os subgrupos (técnico, jurídico e político) de cada grupo temático reúnem-se para analisar as propostas conjuntamente, para debater os conflitos de ideias e temas. Os representantes fazem então uma reunião para comentar as propostas gerais.
Tarefa para estabelecimento de acordos para tomada de decisão: o grupão terá que que definir até 7 propostas (políticas e jurídicas). As propostas originais dos grupos poderão passar por ajustes devidamente negociados.


14h30 RETORNO DOS GRUPOS ORIGINAIS E FINALIZAÇÃO(REDAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL)
Compartilhamento das impressões gerais dentro dos grupos originais. Finalização das propostas pelos grupos de trabalho. Cada grupo temático.  Os representantes terão que se reunir e redigir um conjunto final de 10 propostas. Os grupos temáticos acompanharão o debate dos representantes que estarão na frente do auditório.


15h30 – Intervalo


16h00 APRESENTAÇÃO 
Apresentação do documento final pelos representantes. 

GALERIA DE FOTOS DO EVENTO

Estudos sobre o desenvolvimento de games

O livro Estudos sobre o desenvolvimento de games, tem como objetivo apresentar trabalhos acadêmicos e científicos acerca dos jogos digitais produzido por diversos pesquisadores atuantes no Brasil

O livro Estudos sobre o desenvolvimento de games, tem como objetivo apresentar trabalhos acadêmicos e científicos acerca dos jogos digitais produzido por diversos pesquisadores atuantes no Brasil. Produzido com os recursos do Plano de Incentivo à Pesquisa (PIPEq) da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), e com o apoio do GATERME (​Grupo de Pesquisa em Games, Aplicativos, Tecnologias de Realidade Mista e Educação Empreendedora) do Mestrado Profissional em Desenvolvimento de Jogos Digitais da PUC-SP.

Mas do que se trata este volume? Aqui você encontrará tópicos diversos, mas começamos situando o leitor no que é fundamental: o que de fato é um jogo? Para isso, apresentamos as visões de alguns pesquisadores e desenvolvedores de jogos, principalmente para consolidar a perspectiva de que não existe uma única forma de ver o jogo. Clique aqui e baixe o livro.

Mas se vamos falar de jogo, o assunto game design não poderia ficar de fora, pois a evolução constante das tecnologias usadas nos jogos digitais traz novos desafios, e oportunidades, para que os designers de games e suas equipes possam explorar diferentes abordagens e formas do jogar, além de apresentar dicas e técnicas usadas por grandes desenvolvedores a fim de criar um jogo harmonioso, que faz sua estética, história, trilha sonora e mecânicas dialogarem.

Ainda sobre o tema game design, apresentaremos conjunto de técnicas ágeis para produção artefatos individuais, independentes ou não, baseados em diagramas, figuras e textos para a documentação, organização e comunicação das características gerais e específicas de game design, com o objetivo de oferecer uma visão única, flexível, ampla e detalhada para o time de desenvolvimento de games.

As interfaces para jogos digitais não ficaram de fora, por meio de referências e exemplos, será apresentado o processo de produção de interfaces de jogos de digitais que se baseiam em um método ágil, que permite que apenas com wireframes e protótipos de baixa fidelidade, se teste e melhore a interface antes que ela chegue a versão final, economizando recursos financeiros e de tempo, otimizando o processo como um todo.

Prepare-se também para conhecer um framework para a criação de level design, a partir das práticas no mercado além da análise de algumas possibilidades de game design que quando aplicadas a esses momentos iniciais do game podem ensinar seu jogador a jogá-lo, sem quebrar a experiência proposta do jogo, de forma natural e mantendo o jogador em seu círculo mágico.

Sabemos que produção de jogos eletrônicos se apresenta como um evento global e um processo irreversível enquanto manifestação cultural. Neste sentido, os espaços dedicados à formação, nos quais compreendemos a educação, podem e muitas vezes se utilizam do universo digital dos games como forma de gamificação do currículo escola. Assim, um tipo de jogo emerge em meio a diversidade e natureza destes espaços e desenvolvedores e professores precisam unir forças no sentido de promover jogos epistemológicos nos quais aspectos da pesquisa científica e da diversão constituem o game design e level design – puzzles.

E como descrever as aplicações de perfis de jogadores e emoções no processo de desenvolvimento de jogos? Analisamos comparativamente com os principais métodos de desenvolvimentos de jogos descrevendo as aplicações, no contexto da pesquisa e do desenvolvimento de jogos. Juntamente a isso, veremos como o design thinking auxilia o processo de criação de jogos por alunos de diversas idades.

Conheceremos também a iniciativa interdisciplinar de estudo e prática em jogos — hoje chamada de Rio PUC Games (RPG), nascida na PUC Rio. Este movimento estudantil é composto por alunos de diferentes cursos de graduação, em sua maioria Design, que atuam em funções pertinentes ao desenvolvimento de jogos: artes, programação, design de jogos e produção.

Entenderemos também as necessidade dos criadores de games pensarem em questões relevantes para a sociedade além de ter contato com projetos gamificados em realidade virtual apresentando considerações sobre como um olhar sobre a imperfeição dos objetos no mundo real pode ser a chave para a criação da ilusão de perfeição em objetos tridimensionais, sem esquecer, claro, de descrever as experiências de idosos com jogos.

Espero que você aproveite a jornada e todas as jogadas. Conheça também o livro Level design, jogabilidade e narrativa para games.