Conheça a Challenge Based Learning uma abordagem inovadora na educação

Challenge Based Learning

A forma de ensino tradicional está cada vez mais em dissonância com o que vivemos. O grande desafio da educação tem sido trazer para sala de aula toda evolução e inovação presente no mundo fora dela. A implementação da tecnologia é um dos pontos que sempre vemos por aqui, mas além disso, a questão é fazer com que o aluno consiga se desenvolver à medida que desenvolve soluções para questões complexas do seu cotidiano. As metodologias ativas de ensino propõem justamente isso.  

Já vimos por aqui diversas ferramentas e metodologias de ensino que vão por este caminho, como project based learning, método jigsaw e até mesmo ferramentas do mundo corporativo que ganharam espaço nas salas de aula, é o caso do design thinking, por exemplo. E hoje vamos conhecer mais uma alternativa promissora para educação: o Challenge Based Learning (CBL) ou em português aprendizagem baseada em desafios

Para entender o seu surgimento, vamos voltar um pouquinho na história. Entre 1985 e 1995 surgiu o projeto Apple Classrooms of Tomorrow, que tinha o objetivo de integrar a tecnologia ao processo de ensino, inclusive na época a Apple deu suporte tecnológico para as escolas da Califórnia, estudou benefícios do mundo digital para o desenvolvimento dos alunos e ainda conduziu experimentos na área de gamificação. 

Este projeto evoluiu e por volta dos anos 2000, surgiu o ACOT2 que queria entender as necessidades do ensino médio nos Estados Unidos. Além disso, o projeto também tinha o objetivo de auxiliar as escolas a criarem um ambiente de aprendizagem ideal, atendendo o que os estudantes precisavam e esperavam, e com isso consequentemente diminuir a evasão escolar. 

O Challenge Based Learning (CBL) é parte deste projeto colaborativo com foco no aprendizado do século 21.  A empresa Apple enxergou no ensino o caminho necessário para preparar pessoas para viver em uma sociedade com mudanças constantes, e por isso preocupou-se no desenvolvimento de metodologias pedagógicas para serem replicadas nas escolas. 

A abordagem do CBL é interdisciplinar e estimula os alunos a desenvolverem soluções para problemas reais com apoio de tecnologias. Assim como outras metodologias, para implementação da aprendizagem baseada em desafios é preciso seguir fases interconectadas. Abaixo vamos explorar mais cada uma delas. 

Fases do Challenge Based Learning 

Para colocar em prática o CBL, primeiro surge uma grande ideia, que posteriormente irá de desenvolver para uma questão essencial, um desafio, questões norteadoras, atividades, recursos, tudo isso conectado para chegar a uma solução e depois a implementação desta e avaliação dos resultados. Claro que todo esse processo acontece por partes e aqui vão três fases que não podem faltar:

Fase 1 – Engajar 

Nesta fase é o momento de conduzir o processo de perguntas essenciais, onde os alunos irão transformar uma grande ideia abstrata em um desafio real. O conceito de grandes ideias são de que, os temas que serão explorados precisam poder percorrer diferentes formas e serem relevantes aos alunos e a comunidade onde eles vivem, por exemplo, a questão da saúde, alimentação, meio ambiente. 

Aqui é o momento do processo de aprendizagem onde o aluno irá além de questionar sobre um determinado tema, contextualizar e personalizar a ideia. Ao final chegará em uma questão considerada essencial e relevante. Relevância esta para o aluno como indivíduo e para o grupo. Este percurso irá levar o estudante para a ação, uma vez que os participantes do desafio precisarão desenvolver uma solução, que devem ser imediatas e possíveis de realizar. 

Fase 2 – Investigar 

Decidido a questão essencial, os alunos irão planejar e participar de uma jornada que irá construir fundamentos para as soluções na fase dois. Essas soluções vão preencher os requisitos acadêmicos necessários. 

De que forma? Priorizando e criando categorias para que as questões continuem a ser uma experiência de imersão. É preciso criar questões guias, que darão a direção ao conhecimento que será necessário buscar para desenvolver a solução do desafio. 

Fase 3 – Agir 

Como o nome da fase diz, é hora de colocar a mão na massa na aprendizagem baseada em desafios. Na fase anterior surgiram as soluções, nesta etapa o aluno pode prototipar, testar, lapidar a solução e aí sim implementá-la. 

Para implementar a solução é preciso levar em conta a idade dos alunos, a quantidade de tempo e recurso, isso vai nortear o como o desafio será implementado. 

Após feita a implementação, ainda há uma última parte do CBL após o agir, que é a avaliação. Nela os alunos terão a oportunidade de entender o quanto a solução deles foi efetiva, fazer os ajustes necessários, debater sobre o tema e sair com ainda mais conhecimento sobre a questão trabalhada. 

Lembrando que um dos pilares do Challenge Based Learning é trazer o desafio relacionado a realidade do aluno, e que ele sinta durante o aprendizado, que a solução da questão levantada impacte na sua vida. 

Algumas sugestões de temas relevantes são a água, daí podem surgir questões como a consumimos, o desafio, por exemplo, melhorar o a forma do consumo da água na comunidade ou em casa. Comida é outro caminho bastante abrangente, onde podemos entender o que comemos, como isso impacta o mundo, e o desafio talvez implementar maneiras de se alimentar melhor, energia, ar, sustentabilidade, a lista é longa e possibilita um aprendizado bastante abrangente.  

Uma vez que o tema é definido e as questões que serão trabalhadas também, é possível aprofundar o conhecimento em diversas áreas, como biologia, história, matemática, e tantas outras. Correlacioná-las faz parte da metodologia CBL. Não se esqueça também de sempre que possível atrela a tecnologia como aliada durante o processo, afinal além de ajudar no aprendizado, ela faz parte de nossas vidas e não pode ficar de fora.  

Caso você queira se aprofundar ainda mais no Challenge Based Learning você pode conferir o o CBL Guide, vale a leitura!

Deixe seu comentário