Educação Socioemocional: conheça o conceito, seus pilares e benefícios que vão além da sala de aula

Educação Socioemocional

Saber se relacionar, conciliar habilidades e competências cognitivas com as emocionais, parece algo óbvio, mas precisa ser desenvolvido. O ser humano tem que saber lidar com suas emoções para aprender sobre si próprio e o próximo, e consequentemente se tornar pessoas e profissionais equilibrados e melhores.

Essa questão amplamente debatida tem ganhado tanta importância, que desde 2020 passou a ser exigida de acordo com as novas diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). As escolas brasileiras terão que incluir habilidades socioemocionais na sala de aula, para que possam ser trabalhadas desde a infância. Mas afinal, você sabe o que é educação socioemocional, seus pilares e benefícios? Nosso bate-papo de hoje vai apresentar um pouco mais do que é este universo e como colocá-lo em prática de maneira efetiva.

Valorizar e incentivar o desenvolvimento das habilidades sociais e emocionais está no centro da educação socioemocional, já conversamos bastante por aqui da importância do desenvolvimento do pensamento crítico, da criatividade, empatia, inteligência emocional, resiliência, autoconhecimento, entre outras, as chamadas soft skills, muito requisitadas no mercado de trabalho atual.

Este olhar de implementar o ensino dessas habilidades nas escolas traz um trabalho necessário e antecipado no processo de aprendizagem, tornando alunos mais engajados e confiantes em seu potencial.

A ideia da educação socioemocional surgiu formalmente em 1994 nos Estados Unidos, quando um grupo de pesquisadores com objetivo de investigar o impacto da aprendizagem socioemocional na área da educação criou o CASEL, uma organização mundial responsável por promover o aprendizado acadêmico, social e emocional de forma integrada para todas as crianças desde a pré-escola até o ensino médio.

Desde então o conceito vem sido trabalhado e muitos estudos mostram a efetividade em sua implementação. Para que todos os benefícios sejam percebidos, é preciso estruturar a educação socioemocional em pilares, eles são divididos em quatro:

  • Emocional – aquele que tem relação com o autocontrole e autoconhecimento;
  • Comportamental – Ligado à persistência, perseverança e responsabilidade;
  • Cognitiva – aspectos ligados, por exemplo, à empatia;
  • Psicossocial – Foca na área de resolução de conflitos, comunicação assertiva e outros.

Vale ressaltar que por se tratar de um tema de extrema importância a educação socioemocional precisa ser trabalhada em todos os âmbitos dentro da escola, portanto, trabalhar com os alunos, mas também, promover treinamentos com professores e equipe da gestão para que estejam alinhados a este processo de ensino.

Além disso, não limitar a educação socioemocional como sendo algo trabalhado somente na escola, é preciso envolver família, e todos aqueles do convívio, pois só assim, por meio de uma rede forte de apoio o projeto trará resultados eficazes.

De acordo com a BNCC são dez as competências socioemocionais a serem implementadas na sala de aula, para conhecê-las uma a uma clique aqui, embora sejam dez as listadas, elas podem ser agrupadas em cinco competências gerais, são elas:

  1. Autoconhecimento – Aqui o aluno conhece a si próprio e entende seus desejos e vontades, o que acredita e também o que espera para o futuro. Pode ser trabalhado de diferentes formas em sala de aula, para os pequenos, atividades que envolvam o trabalho focado em emoções e sentimentos. Já com os adolescentes é possível além das emoções trabalhar também, por exemplo, o mapeamento de um objetivo de carreira.
  2. Autogerenciamento – Aprender a controlar os impulsos, gerir o estresse, disciplina e organização, busca de metas e objetivos. Essa competência ajudará muito no futuro profissional do aluno, mas em atividades pessoais também. Exercícios de relaxamento, criação de planos de ação e regras com consequências ao não cumprimento delas, são ótimas formas de trabalhar o autogerenciamento na educação socioemocional.
  3. Tomada de decisões responsável – Saber como fazer escolhas saudáveis, pautadas dentro da ética, regras sociais e com comportamentos construtivos, o ensino dessa competência desenvolve o aluno a como chegar a este caminho. Trabalhar jogos, debates com assuntos que necessitem a tomada de decisão de maneira responsável podem ser bastante dinâmico na construção desta habilidade.
  4. Habilidades de relacionamento – Sem dúvidas ponto essencial dentro da educação socioemocional, afinal a construção do relacionamento, de comunicação assertiva e trabalhar de forma colaborativa são muito importantes para educação socioemocional. Busque atividades em grupos, elas sempre constroem ideias em conjunto, possibilitando depois a apresentação do que foi discutido.
  5. Consciência social – Foca em trabalhar o individual para desenvolvimento do respeito, da diversidade, empatia, um olhar amplo sobre o mundo. Uma ideia é trabalhar essa habilidade de forma interdisciplinar, de forma que proponham reflexão dos alunos sobre sua consciência social.

Não existe caminho certo ou errado na implementação prática da educação sociemocional. É possível trabalhar a educação socioemocional como metodologia de ensino, por exemplo, isto é, incorporar o trabalho no desenvolvimento dessas competências e habilidades em todas as práticas dentro de sala de aula, para que o aluno tenha uma visão geral desta forma de ensino.

Para que isso aconteça é preciso mudar a postura de todos envolvidos no processo de aprendizagem, e colocar o aluno como ativo na educação. Ele precisa ser protagonista na aprendizagem, aliar a educação socioemocional com as metodologias ativas de ensino, assunto já abordado por aqui também.

E outra forma de trabalhar a educação socioemocional é usá-la como solução complementar ao ensino. Podem ser implementados programas com atividades específicas. Como a proposta do Líder em Mim (LEM), uma solução com o propósito de criar um contexto para aplicação das competências socioemocionais no ambiente da escola.

Seja de um jeito ou de outro, a implementação da educação socioemocional promove inúmeros benefícios, como os que já foram falados de criar um indivíduo mais preparado no equilíbrio das suas emoções, pronto para atender o mercado de trabalho e mais consciente da sociedade onde está inserido.

A educação socioemocional promove o acolhimento, evita ansiedade seja em qual idade for, ensina como é importante cuidar de si e do mundo. O conceito é uma abordagem de educação que só tende a somar, possibilitar ao aluno o desenvolvimento junto as competências técnicas as emocionais, valorizando- o como indivíduo e formando para o mundo.

Deixe seu comentário