Saiba mais sobre o metaverso na educação

metaverso

A palavra parece ser relativamente nova (mas não é), e se você está antenado nas novidades da área da tecnologia, conhece o metaverso, ou, pelo menos, já se deparou com este termo. A ideia de incorporar o mundo virtual com o físico não é nova, mas a forma que se estrutura o metaverso promete ampliar e trazer inúmeras possibilidades para diferentes setores.

Na educação o pensamento futuro (que já tem seus primeiros passos) é a de que o metaverso torne o processo de aprendizagem algo mais inclusivo e derrube barreiras importantes. O conceito propõe a interação, uma tecnologia que trabalha a realidade virtual de forma compartilhada, onde será possível recriar experiências físicas no ambiente digital. A disrupção que o metaverso na educação promete é grande e é sobre ela que vamos conversar um pouco mais.

Em sua definição a palavra metaverso nada mais é que a junção de “meta”, palavra grega que significa além, com verso que vem de “universo”, seria algo como a evolução da internet. Ter uma segunda vida, só que com pessoas reais tornando possível uma realidade paralela. Ainda parece confuso? Vamos continuar.

A confusão é comum, afinal toda explicação parece saída de um livro, filme de ficção científica, o que tem seu fundamento. O termo metaverso vem de um romance de ficção científica do autor Neal Stephenson chamado Snow Crash de 1992. Nele é apresentado uma aventura em um mundo onde parte da vida cotidiana acontece no mundo digital.

Voltando a realidade, o metaverso propõe justamente a integração do online e offline, por meio de ferramentas que tem o objetivo de diminuir o espaço entre físico e virtual. Para educação ele permite a imersão dos alunos em ambientes que dependendo da realidade de muitas escolas não seria possível ser feita.

Exemplificando, seria algo do tipo estudar sobre a Grécia Antiga em um ambiente virtual que crie essa realidade, ver a arquitetura, pessoas da cidade como eram na época, um ambiente onde será possível a interação entre os colegas de sala de aula e professores enquanto cada uma das partes poderá, por exemplo, fazer essa viagem estando em suas casas. Ou uma excursão a museus do mundo todo, algo que já é possível fazer sem sair da escola.

Isso tudo faz parte de uma realidade virtual que já vem sendo trabalhada em algumas salas de aula, com as imersões 360 graus por meio dos óculos virtual e outras ferramentas tecnológicas, mas isso é apenas uma das possibilidades que o metaverso traz para o processo de aprendizagem.

Vale ressaltar que tivemos um grande processo de imersão e adaptação a essas novas tecnologias com a chegada da pandemia, e o mundo precisou acelerar a adaptação ao uso delas, para tornar viável o ensino em uma realidade em que o aluno não poderia estar dentro da escola e isso mostrou os desafios e barreiras que todos da educação tiveram que enfrentar.

Por mais que seja possível dizer que muitas instituições tiveram êxito nessa adaptação, outras passaram por dificuldades, isso porque os alunos de uma maneira geral estão adaptados ao uso dessas tecnologias em suas vidas, mas os nem todos os professores e os envolvidos no processo de educação não estavam devidamente preparados para o desafio de usar essas ferramentas a seu favor.

E é essa questão que se faz necessária a reflexão, se somente aulas a distância ou híbridas apresentaram esse desafio, lidar com o metaverso será algo ainda maior.

Além da preparação de toda estrutura escolar, desde a capacitação dos professores e mudança de pensamento da gestão, estamos falando também de tornar acessível os espaços virtuais à todos, principalmente em uma realidade como a do Brasil, mas esse é um caminho que não tem mais volta, precisamos nos adaptar para ontem a realidade da tecnologia na educação.

De acordo com números da ABRES apenas 36% dos alunos que entram no ensino superior se formam, em decorrência do abandono do curso por falta de motivação e questões financeiras. Já em relação aos cursos EAD a realidade é que os números aumentam a cada ano, mostrando o quanto a tecnologia facilita e torna mais flexível o acesso ao ensino. Este cenário mostra o quão necessário é o investimento em novas tecnologias para abandonar o modelo tradicional de ensino já ultrapassado. 

Benefícios do metaverso na educação

Acessibilidade: Como já foi falado, tornar acessível o processo de aprendizagem com certeza é um dos maiores benefícios que o metaverso na educação pode trazer. O metaverso torna distâncias geográficas menores ou inexistentes, permite acesso remoto a educação em qualquer lugar do mundo. Não é necessário o deslocamento, o que aumenta a inclusão.

Desenvolvimento de habilidades para o mercado atual: Quando trabalhadas já no ensino, a inclusão digital permite o desenvolvimento de habilidades digitais em um nível mais alto, sem contar outras soft-skills altamente solicitadas ao profissional de hoje, como disciplina, autonomia, empatia, tudo isso é trabalhado nessa nova forma de aprender.

Motivação e foco: Para muitos a ideia do modelo tradicional de escola como conhecemos parece chato, principalmente para os mais jovens que estão tão expostos as tecnologias. Incluí-las na educação é importante alidada para que as abordagens de ensino sejam mais efetivas e consigam melhores resultados. Os alunos se sentem mais motivados e focados em um ambiente que para eles é atrativo e natural.

O setor educacional precisa se posicionar agora mais do que nunca, e antecipar essa tendência se tornando um pilar de desenvolvimento, o metaverso na educação irá trazer inúmeros benefícios e inclusão, o quanto antes aprendermos e ensinarmos sobre ele, mais fácil será a adaptação a um cenário que é inegável de acontecer.

Deixe seu comentário