É possível aprender jogando videogame?

A resposta a essa pergunta pode ser bastante polêmica, mas sim é possível aprender jogando videogame. Talvez muitos educadores e até mesmo pais que estão lendo este texto neste momento, estão olhando torto para o tema, mas a verdade é que hoje você vai descobrir como isso é possível.

Os assuntos tratados em artigos recentes têm proposto uma reflexão sobre a nova maneira de educação. As questões que estamos trazendo são justamente atrelar elementos tecnológicos da rotina para o processo de aprendizagem. E por que não o videogame?

A ideia de aprender se divertindo é o sonho de muita gente, seja crianças, adolescentes ou adultos. Além de entreter, os jogos digitais ensinam e há vários estudos comprovando essa ideia. E um ponto importante: não são somente os jogos educacionais que estamos falando, mas sim dos jogos de videogames populares no mundo todo, os que muitas vezes são vistos como algo que atrapalha o ensino, mas não.

Os videogames trabalham nossas capacidades cognitivas. A maioria dos jogos disponíveis melhoram a nossa atenção, que no momento da competição precisam ser redobradas. Aqueles que são mais rápidos, exigem uma concentração ainda maior e este benefício pode ser usado a favor da educação.

Jogos clássicos como Super Mario tiveram seus benefícios comprovados por meio de um estudo já publicado. Ele aconteceu na Alemanha, e cientistas descobriram que apenas meia hora do jogo diariamente pode melhorar a memória, localização espacial, senso de estratégia, capacidade motora. Esses benefícios foram monitorados durante dois meses de estudo.

E você deve estar se perguntando, mas afinal como isso impacta na educação? Os jogos potencializam as nossas capacidades, mas para que isso seja aproveitado para aprender é preciso usar as habilidades trabalhadas a favor do ensino.

A proposta é que você como educador ou até mesmo como aluno, faça essa interação do jogo com o aprendizado. Você pode usar tanto dessas habilidades potencializadas com os jogos para potencializar também o ensino, como o próprio conteúdo dos jogos virar tema central do estudo.

Vamos a um exemplo: jogos como Age of Mythology, God of War podem auxiliar e propor debates e formas de ensino inovadoras do que foi a civilização grega. Call of Duty que aborda guerra fria, segunda guerra mundial, conflitos atuais podem fazer o mesmo.

Esses jogos são todos bastante conhecidos pelos gamers. Quando você insere o game para educação de temas tradicionais, você vai além dos livros e traz a aprendizagem para algo próximo do aluno. Ele verá que o que ele está aprendendo, faz parte de algo que ele gosta, e assim torna mais atrativo o estudo em si.

Outro exemplo acontece com o estudo de outras línguas. Os jogos de videogame possibilitam o aumento de vocabulário, aumentam a capacidade auditiva para o novo idioma, além de motivar o aluno a querer saber mais. Ele vai conseguir ver uma aplicação prática do porquê ele precisa aprender uma nova língua. Isso para uma criança ou adolescente é extremamente encantador.

Sem contar que trazer os jogos de videogame como uma nova estratégia educacional, quebra a seriedade com que é visto a educação. Ela passa ser mais “legal”, atrativa e próxima. Quebra com um sistema que estamos acostumados há muitos anos e que precisa se adaptar a nova realidade em que vivemos.

Outros debates importantes apresentados como pano de fundo em jogos podem ser pauta para vários aprendizados, como trabalho em equipe, moral, ética, política, economia e até mesmo intolerância social e racial. Percebe como quando é feita a ponte dos jogos para os assuntos tratados na sala de aula o quão benéfico isso pode ser?

Além disso, os jogos digitais também preparam os alunos para serem multitarefas, algo que é muito valorizado no mercado de trabalho. Podemos dizer que os games ajudam inclusive a formar o profissional de hoje.

É claro que os jogos devem sim ser usados com quantidade de horas determinadas, principalmente para crianças e adolescentes. O jogo deve ser mais uma ferramenta de auxílio na educação, mas o estudo em si não deve ser trocado por ele. O aluno precisa entender, ainda que indiretamente, o quanto pode ser bom estudar e como o que ele vê no entretenimento é também parte do seu estudo.

Agora que falamos um pouco mais sobre essa possibilidade de inserir os games na educação, o que você acha? Qual a melhor forma de usar os videogames como aliados do ensino? Você já faz alguma ação desse tipo?